Paulo Afonso de Barros
preciosos segundos de paz...
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Apenas um simples e precioso minuto...
Os tempos de agora pedem mais tolerância, paciência e a desejável pacificação individual que vai de encontro ao coletivo e se transforma numa poderosa ação de amor que está e precisa se expandir mais e mais.

Entreguemos ao nosso Deus interior e ao Cosmos nossa vibração diária, breve, de pleno desapego de nós mesmos.

Essa dimensão do amor ampliada é uma forma de cura e caminho para superação desse período de transição planetária cercada de tensões de forças que detém formas diversas de destruições, semelhante ao que já vivemos em épocas medievais, bem como no século XX, sempre alimentadas pelo ódio, vaidade, poder e o consequente desamor.

Tenhamos o discernimento de que, em contrapartida, nunca se falou e se praticou tanto amor como agora, razão para que façamos a nossa parte e não alimentemos ódios mascarados e explícitos exacerbadamente divulgados pelas mídias todas.

Somos passageiros com hora certa para retorno às nossas origens com reencontros já agendados junto àqueles que nos antecederam na verdadeira vida onde não se fará mais necessária a armadura corporal pesada.

Não nos iludamos com paraísos pós matéria, o trabalho e as escolhas continuarão num processo permanente de melhoria e desprendimento.

A paz, o amor, a ternura e a serenidade são caminhos a serem buscados, trilhados e compartilhados por todos da família humana, felizmente muitos dos que foram à frente estão a postos e mostrando como ser para essa trilha seguir.

Paulo Afonso de Barros
Enviado por Paulo Afonso de Barros em 30/04/2017
Alterado em 30/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar o autor Paulo Afonso de Barros_São José dos Campos_SP). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários